terça-feira, 6 de junho de 2017

Minas do pintor


(...)
Era uma vez um país 
onde o pão era contado 
onde quem tinha a raiz
tinha o fruto arrecadado
onde quem tinha o dinheiro
tinha o operário algemado
onde suava o ceifeiro
que dormia com o gado
onde tossia o mineiro
em Aljustrel ajustado
onde morria primeiro
quem nascia desgraçado.
(...)

José Carlos Ary dos Santos in "As Portas que Abril Abriu"