quinta-feira, 15 de maio de 2014

Praia de Esmoriz


Parecia uma luz líquida que por vezes surge sem se
pedir: o espaço receio que sobra pelos nossos olhos
labirinto de coisas parecia o movimento local das
brisas todo o trabalho ave da água liberta

parecia claro sobre a madeira e por arder em cores
parecia o mundo em certos dias mas o som crescia:
as velas libertas deixavam sinais da longa espera
das flores sobre uma onda de cal escura (e cristal)

nunca a plena transparência do mundo compreenderá
esse sinal (nunca o compreenderá) nunca a plena
memória do mundo poderá compreender esse sinal

não que cada verão cada distância ao coração seja uma
janela (dois sorrisos) mas nem que mude o sentido
das chuvas sempre os muros serão espuma e o frio: riso

João Luís Barreto Guimarães in "poesia reunida"